quinta-feira, 24 de junho de 2021 22:10

INÍCIO | LINKS ÚTEIS | TRABALHE CONOSCO | CONTATO


Bandeira vermelha pra educação

Seção:
Postado em 28/08/2013

O Brasil apresenta, de forma agravada, algumas características próprias de países em desenvolvimento, entre as quais imensas deficiências no sistema educacional.

Nesta semana, uma notícia me chamou atenção: a Vara do Juizado Especial Cível de Bragança Paulista condenou um aluno (maior de idade) a pagar indenização por danos morais no valor de R$10 mil a uma professora, por ter jogado uma casca de banana nela. Além do dano moral, o aluno foi condenado por apresentar testemunhas que mentiram em juízo, caracterizando litigância de má-fé.

Após ouvir diversas testemunhas, o juiz Juan Paulo Haye Biazevic afirmou que a conduta atingiu a autora em seus atributos mais importantes da personalidade, expondo-a ao ridículo em um ambiente no qual ela deve deter a autoridade necessária e suficiente para ensinar e educar. “Em um momento histórico onde as ruas do país são tomadas por pessoas exigindo melhorias na educação, jovens esquecem que, além de direitos, eles também têm deveres. Não basta bradar por investimentos em educação se, na sala de aula, quem se dedica à tarefa de ensinar não é respeitado.

Qualquer esforço do poder público para melhorar a educação do país cairá por terra se os alunos não estiverem dispostos a aprender. Grande parte da desmotivação dos professores, e isso, é óbvio, também deve ser atribuída à postura dos nossos jovens. Lamentavelmente prolifera no país uma cultura de que ser estudioso e esforçado não é digno de admiração, o que se admira é ser malandro e insolente”, complementa Biazevic.

O aluno havia alegado não ter tido a intenção de acertar a professora. Afirmou que brincava com um colega de jogar a casca no cesto de lixo, quando, acidentalmente, o material bateu no ventilador e se despedaçou. A tese foi reforçada por duas testemunhas. Porém, a argumentação não foi aceita. “Não sei o que é mais risível. A conduta do réu de arremessar a casca na professora ou a conduta de suas testemunhas de tentar convencer um juiz de Direito de que pessoas, quando querem jogar cascas de banana em um cesto de lixo, arremessam-nas, antes, dois metros para o alto”, disse o juiz na sentença. Além da indenização, o Juiz condenou o aluno por litigância de má-fé por apresentar testemunhas que mentiram.

Após ler este caso, faço questão aqui, publicamente, de “bater palmas” ao Magistrado, especialmente por suas colocações tão verdadeiras e importantes na conjuntura atual.

Ora, um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento de um país é a educação. No caso do Brasil, parece que precisamos urgente levantar uma bandeira vermelha. Por óbvio, vivemos em uma sociedade em que a violência faz parte do nosso dia-a-dia, por diversos fatores, e no ambiente escolar não podia ser diferente.

Paulo Freire, expoente da educação brasileira, alerta que a escola é o espaço onde se dá o diálogo entre os homens, mediatizados pelo mundo ao redor, surgindo daí a necessidade de transformação do mundo. Por isso, meu questionamento aqui é simples: como é que nós, pais e cidadãos, estamos contribuindo para a formação de seres humanos, que pensam, se relacionam, visando uma melhor convivência na sociedade atual, tão carente da formação de autênticos cidadãos, que respeitam os direitos dos outros, que possuem boa autoestima e tenham consciência de seus deveres, melhorando o clima de liberdade, participação, responsabilidade, sensibilidade e respeito com o outro? Fica a reflexão!

Eduardo Kümmel

Advogado – Diretor da Kümmel & Kümmel Advogados Associados